Categoria Home

Santa Casa de Itapeva completa 122 anos hoje, 10 de junho

A todos aqueles que contribuíram para a construção, manutenção e modernização para que a nossa Santa Casa se tornasse o que é hoje, uma referência em saúde para a região sudoeste paulista, nossa ETERNA GRATIDÃO.

Esses sólidos pilares foram construídos com base em muito amor, dedicação e luta de todos os colaboradores que fazem parte desses 122 anos de história, de todos os provedores que por ali passaram, sua diretoria, corpo clínico, equipes administrativas e assistenciais. São vocês que CONSTROEM a Santa Casa todos os dias.

Convidamos a todos para que façam suas orações, neste dia 10 de junho, vibrando amor e sabedoria para que essa lamentável situação pandêmica seja conduzida da melhor forma, sobretudo para a recuperação de todos os enfermos que aqui se encontram. Amém.

CLÍNICA DE ESPECIALIDADES MÉDICAS DA SANTA CASA AGORA CONTA COM PNEUMOLOGIA PEDIÁTRICA

A nova especialidade já está disponível para agendamento de consultas.
A clínica atende diversos convênios e também consultas particulares.

A médica Itapevense, Dra. Laura Nicoletti Loureiro, que atualmente reside em São Paulo, cidade que escolheu para fazer a graduação em medicina e posteriormente a residência médica, retorna a Itapeva para atender na Clínica de Especialidades Médicas da Santa Casa, onde vai atuar como pneumopediatra.

Dra. Laura fez graduação em medicina no Centro Universitário São Camilo e residência médica em Pediatria no Hospital Israelita Albert Einstein e Pneumologia Pediátrica na Universidade de São Paulo (USP). Atualmente trabalha como pneumologista pediátrica em uma unidade do Ambulatório Médico de Especialidades (AME) e também em consultório particular, onde atende como pediatra, além de atuar como pneumologista pediátrica como assistente da equipe do Dr. Joaquim Carlos Rodrigues, seu professor no Einstein e na USP; e no Hospital Mboi Mirim, um hospital público que é administrado pelo Einstein.

Segundo a médica, “a pneumologia pediátrica é uma subespecialidade da pediatria, que cuida do diagnóstico, tratamento e da prevenção das doenças respiratórias que acometem crianças e adolescentes. Além disso, faz o acompanhamento de outras doenças que afetam outros órgãos, mas que também tem repercussões respiratórias”, explica.
Principais doenças que acometem o sistema respiratório:
– Asma;
– Bronquiolite viral aguda;
– Síndrome do bebê chiador;
– Displasia broncopulmonar;
– Fibrose cística;
– Bronquiolite obliterante e sequelas das infecções virais;
– Bronquiectasias;
– Pneumonias agudas;
– Rinite alérgica;
– Tosse crônica;
– Tuberculose pulmonar.

“Estou empolgada em poder atender pacientes na minha cidade natal. Na Clínica de Especialidades médicas será possível resolver a grande maioria dos casos, devido a complexidade dos exames diagnósticos disponíveis no Hospital. Porém, a avaliação de cada caso é individualizada e após uma avaliação completa o melhor tratamento será instituído”, complementa.

A agenda da Dra. Laura Dra. Laura Nicoletti Loureiro está disponível para agendamento de consultas na Clínica de Especialidades Médicas da Santa Casa, na especialidade pneumopedriatria. Informações através do whatsAPP 15 99796-8117. Atende diversos convênios e também consulta particular.

Santa Casa de Itapeva se une aos Filantrópicos e concretiza primeira importação do kit intubação

Em operação inédita, Santas Casas e hospitais filantrópicos se unem em importação coletiva de
sedativos e medicamentos do chamado kit intubação para assegurar o atendimento aos
pacientes.

A primeira importação, realizada com a coordenação da Confederação das Santas Casas e
Hospitais e Entidades Filantrópicas (CMB), se concretizou nesta sexta-feira (16), assegurando
ao menos 30 dias de estoques para 94 instituições. Serão 320 mil itens divididos entre
Propofol, Atracúrio e Rocurônio, oriundos da Índia.

O presidente da CMB, Mirocles Véras, esclarece que os esforços continuam e que a
expectativa é auxiliar os 1.824 filantrópicos que completam a maior rede hospitalar do Sistema
Único de Saúde (SUS).

“A primeira importação só contempla 94 hospitais, especialmente as instituições com maior
escassez, em regiões onde os índices de internação continuam altos, mas é apenas um fôlego
inicial. A importação leva até 20 dias para o real abastecimento dos hospitais, que até lá
continuam seus esforços diários junto à indústria nacional e até mesmo compartilhamento
regional para que não falte, e durante esse período também seguimos com novos acordos e
contratos para contemplar mais instituições e maior volume. As negociações com a Grécia
também estão adiantadas e a Anvisa se comprometeu a auxiliar para que nada atrase o
recebimento e efetiva distribuição na chegada ao Brasil”, ressalta Véras.

A iniciativa foi atender um pleito do setor que enfrenta grave desabastecimento e não
encontrou soluções junto aos fornecedores habituais. “É a primeira compra coletiva e
importação conjunta do setor, a gravidade da situação nos fez buscar soluções possíveis e
contamos com o apoio de empresas parceiras sensibilizadas com o cenário. A maior força que
temos é a união do setor e nessa oportunidade não será diferente, encontramos uma solução
porque nos mobilizamos em grupo. Precisamos de um volume muito maior, já que a produção
nacional não atende na velocidade do consumo, mas no exterior a oferta também é mínima e
teremos que batalhar para assegurar nossa fatia no mercado internacional. As providências
são urgentes e estamos atuando em várias frentes para amenizar o sofrimento dos
administradores hospitalares, profissionais de saúde e pacientes que convivem com a
incerteza do abastecimento adequado”, conclui o presidente da CMB.

Essa foi uma das soluções encontradas pela Santa Casa de Itapeva para enfrentar essa situação com a falta de medicação, que é, de fato, extremamente crítica e somente ocorrerá estabilização com a diminuição das internações dos pacientes. Por isso, é muito importante que a população mantenha os devidos cuidados, evitando a propagação do vírus, na tentativa de se manter a estabilidade da ocupação hospitalar e, consequentemente, das medicações cada vez mais raras.